Follow by Email

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

De repente, o contemporâneo



de repente o gesto desesperado
nos salva
lança-nos nas sombras
do insondável presente
este assombroso intervalo
                                                   nas dobras 
entre as vértebras rotas
na vertiginosa fratura da rotina

do ato inesperado
verte o amálgama de sangue
e ossos triturados na engrenagem 
                                                          da alma
que gruda o vidro da retina
à pele enrugada do mundo

assim apartados
                                            de repente
despertamos opacos
tateando o pálido dorso da fera
                                                translúcida 
em cujo desfigurado semblante
vemos nosso rosto prefigurado



quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Pelos caminho de Vênus


pelo felpudo delta venusiano
no lácteo limbo  enleado
pelo meio entre pelos ciliares
um pentelho
cisco enroscado  no céu da boca
preso à glote logo revolvido
em hábil lambida pelo leito lábil
envolto pelo lúbrico muco
pelo vão entre pelos laterais
um grelo
cisto escondido sob latos lábios
vórtice de cristas encrespadas
em estritas rugas melífluas
pelos lados entre pelos aveludados
uma greta
fenda intersticial de abissal vertigem
fonte recôndita de fecunda fistula
onde  a tez desliza ilesa
pelo ínterim entre pelos  rentes
uma  gosma
ácida de suada  púbis

no compasso marcado da úmida sincope

entre enlaces de língua e hálito
pelo enfim  entre pelos buços
um grito

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Il male della smarrita via



la selva oscura
la troviamo dappertutto
popolata da vermini pianti bestie

dentro la notte selvaggia

stride 
          compianti
                            lamenti

sussurri sconosciuti
dolenti note
occhi scintilanti nel buio

sempre al di là di tutta memoria

smemorati
cerchiamo sentieri
ma l'occhio è chiuso
l'orecchio non sente
la boca non apre

sì 
ci fà paura
sapere che dobbiamo morire
le stelle muiono 
il cielo e la terra cambiano
e nessun ne può indovinare il senso

il gran mistero dappertutto
ci fà piccolini